LEO MACHADO

biografia

Linha do tempo

Bandas

Caminho

Formações

Trabalhos

O Alfa

 

O Alfa

Leonardo Machado, 18/03/1981, natural de Vitória (ES), iniciou sua trajetória musical em torno dos nove anos de idade, depois de se apaixonar por Guns and Roses na TV e por Ramones nos discos de seu irmão. O irmão começava a se dedicar ao contrabaixo, e insistia para que ele aprendesse alguns acordes no violão. Com uns onze anos de idade já conhecia alguns acordes básicos, mas sem nenhuma pretensão séria: tratava-se no máximo de um passatempo. Aos 12, ouviu Ritchie  Blackmore; aos treze anos, foi apresentado a dois discos que mudariam sua vida: Rising Force, debut do sueco Yngwie Malmsteen e Passion and Warfare, de Steve Vai. Aos dezesseis anos finalmente conseguiu juntar uns trocados e comprar uma guitarra para começar realmente a estudar/treinar por conta própria, já que tomar aulas era um luxo incompatível com o orçamento familiar. Nesse mesmo período, 1997, voltou a atenção para obras musicais mais complexas, notadamente para o rock progressivo, partindo também para experimentalismos como os de Frank Zappa, Miles Davis e Hermeto Paschoal e querendo mais. The ship has sailed

Em casa, na Serra, 1985. 

Formatura da Pré-escola, 1986.

Talvez essa seja a primeira banda! Encerramento de ano na Escola Santa Terezinha, Serra, 1989/1990(?).

VOLTAR

TOPO

 

HANNABELLl (2001) 

band2.jpg

PRESTO (2002)

galera.jpg

L.U.S.T. (2006)

YESTERDAZE (2009)

DSC07824.JPG

BLACKSLUG (2013)

Bandas

Iniciou-se então um período de pouca vida social: guitarra todo o tempo livre e algumas horas na escola concluindo Segundo Grau (hoje chamam de Ensino Médio). Após um ano de praticamente dez, doze horas de ‘malhação’ começou a se envolver em algumas bandas: a primeira tentava compor algo direto e pesado, como Black Sabbath, e depois de duas músicas prontas em três ensaios, a banda acabou. Juntou-se então, em 1998, a sua primeira banda ‘séria’: um quarteto que passou cerca de um ano ensaiando covers de Iron Maiden, Blind Guardian e Slayer principalmente, para depois se separar. Após uns meses de hiato, reuniram-se novamente, agora com apenas um guitarrista e o intuito de amadurecer musicalmente e experimentar. Foi então que quase por acidente, passaram a executar covers do trio canadense Rush – cujo disco de 1989 veio a sugerir o nome da banda: Presto. Em 2002, tal grupo registrou o single "My Real World", que fez parte da coletânea Voodoo Cowl Noise Music Fest. No início de 2004, apresentaram-se no Rush Fest IV, em São Paulo, o maior encontro nacional de fãs do Rush, no Blackmore Bar e encerraram suas atividades em 2005. É dessa época a amizade e parceira com o baixista Andrey Junca, presente em boa parte de seus trabalhos.

MMZ Gibran Chequer.png

M.M.Z. (2014)

NOT SO BAD (2019)

Além disso, entre 1999 e 2003, Leonardo Machado tocava covers de rock dos 60’s e 70’s para animar festas e eventos em geral, com a banda Hannabell. Entre 2003 e 2008, foi integrante da banda de hard rock L.U.S.T., que registrou um single chamado "Shot of Rock" e animou muitas festas pela Grande Vitória. Das cinzas deste trabalho surgiu a Yesterdaze, que entre 2008 e 2012 gravou também alguns singles, abriu alguns nacionais shows pelo estado (Velhas Virgens, Viper, Matanza e outros), quando Leonardo assumiu também a missão de cantar suas próprias músicas. Em 2013 nasceu a Blackslug, e seu rastro está devidamente documentado no Facebook. No segundo semestre de 2018, dois integrantes se mudaram do Brasil e a banda está pausada. Em 2019 surgiu o despretensioso trio Not so Bad, já que desde o ano anterior Leo também vinha se dedicando a baixo elétrico. 

Outro trabalho digno de nota é o trio de classic rock MMZ (MACHADO, Leo, MASSA, Bruno & ZABAN, Thalles). Nascido em 2010 como um tributo a Jimi Hendirx chamado Red House, mudando a partir de 2013 para classic rock com pitadas de soul, jazz e funk e maluquices em geral; até o início da pandemia podiam ser vistos improvisando pela Grande Vitória. Nesse momento, diante da situação insólita de isolamento social em que fomos lançados pela COVID-19, Leo tem se dedicado a inúmeros projetos e colaborações, incluindo seu primeiro trabalho solo, previsto para inícios de 2021.  

VOLTAR

TOPO

Caminho

Embora a maior parte de sua formação musical tenha sido de forma autodidata, em 2000 participou do curso de extensão Rock Total I, duração de três dias, promovido pelo Conservatório Souza Lima (SP), que serviu para indicar novos caminhos a serem pesquisados. Tal curso foi ministrado por grandes nomes do cenário nacional: Joe Moghrabi, Eduardo Ardanuy e Kiko Loureiro. Além disso, participou de inúmeros workshops, palestras e masterclasses, das quais citamos Hermeto Paschoal, Andy Timmons, Toninho Horta, Sydney Carvalho, entre outros. Teve também aulas avulsas de harmonia com o guitarrista Michael de Souza. Entre 2019-2020 mergulhou no curso online Evolution, do Kiko Loureiro. Desde 2002 atua como professor particular e, além dos cursos livres, ministrou também aulas de violão e guitarra na Oficina Artes Vitória (2006-07) e no Centro Musical Beethoven (2008-09), em Vila Velha. 

5º Festival de Música de Jaguaré (2005).

Oficina Artes Vitória. 2007

DSC00618.JPG

Centro Musical Beehtoven (2009).

 

VOLTAR

TOPO

Trabalhos

Leo já emprestou suas guitarradas para Kessy & Os Marilacs, Stone Age, Driveless, The Godfathers, Dizzy Queen, Gabriel Ruy, Bloco Bleque, Viva Las Vesgas, Saulo Simonassi, Blackjack, Gustavo Macacko e outros. Seja por diversão, amor ou trabalho, participa regularmente de incontáveis (e memoráveis) tributos e homenagens a grandes nomes do rock, como Jimi Hendrix, Iron Maiden, AC/DC, Creedence, Megadeth, Dio e muitos (muitos!) outros (confira a lista completa aqui).

Em 2018 passou a ser o baixista da banda The Windows (tributo ao The Doors). Além disso, a parceria de 2012 com Gabriel Coimbra está de volta, com um novo trabalho em fase pré-produção. Dessa vez, Leo assinará a produção. 

Na sessão Discografia você terá acesso a toda a produção autoral, bem como ao que há de disponível de gravações para outros, participações, trilhas e etc.    

Bloco Bleque, Reveillon 2019 - Camburi/ES. 

Dizzy Queen - Linhares/ES. 

 

VOLTAR

TOPO

 

Formações

Em 2005 ingressou na UFES para cursar Filosofia, permanecendo até 2011, obtendo os graus de Bacharel, Licenciado e Mestre em Filosofia. Entre 2012-2013 lecionou na referida universidade como professor substituto, aprofundando a expandindo sua relação com a história do pensamento. Em 2018 voltou a lecionar regularmente, agora na rede regular de ensino. Toda sua produção, acadêmica ou não, está disponível na seção Filosofia, deste site.

IMG_1083.JPG

Mini Curso ministrado em 2015, como prof. convidado.

Entre 2012-2014 atuou ativamente com o grupo Assédio Coletivo, que evoluiu de um coletivo de bandas para um ponto de fortalecimento politico para a produção e difusão cultural no ES, principalmente na Grande Vitória. Do núcleo dos músicos do Assédio coletivo surgiu, em 2013,  o selo independente Voadora Records, mantendo de pé a bandeira da independência. 

É co-autor do samba “#vemprarua”, escrito e lançado em meio ao sensível momento político do país (junho de 2013), em parceria com Fabrício Miyakawa. 

Não menos importante, pratica e contribui com a difusão da cultura do Yoga, tendo se formado instrutor em 2015. Horários e locais de prática, e também insights e reflexões  podem ser encontrados na seção Yoga, deste site. 

Muito obrigado pela visita.  Que este material lhe seja útil.

VOLTAR

TOPO

Background por Demétrius Silva

Obrigado pela visita!

Direitos Reservados ® 2020.

+55 (27) 99222 0777

mail.png